domingo, 22 de março de 2009

Resumo do livro ensinando para transformar

Capítulo 3

 

A LEI DA ATIVIDADE.

 

“Não podemos transmitir conhecimento de nossa mente para de outrem como se eles fossem constituídos de matéria sólida, pois os pensamentos não objetos que podem ser tocados, manuseados (...) As idéias tem que ser pensadas na outra mente; as experiências revividas pela outra pessoa”.

John Milton Gregory

 

A Lei da Atividade -  Envolver os alunos numa experiência altamente educativa. "Ouço, esqueço; vejo, e guardo na memória; faço e compreendo." 

 

A tarefa dos educadores cristãos não é apenas transmitir conhecimento, mas produzir impacto. Não é apenas convencer os nossos alunos mais transformá-los. Temos que crer e esperar as mudanças que a Bíblia promete.

 

Envolvimento máximo – máxima aprendizagem.

 

Se aprender fosse somente ouvir todo filho seria sábio, mas isso nem sempre é assim. A idéia central dessa lei é que: Quanto maior o nível de envolvimento no processo de aprendizagem, maior o volume de conteúdo apreendido. Assim há três afirmações sobre as atividades de ensino que precisam ser melhoradas.

 

          A primeira é que o exercício leva ao aprimoramento. Todavia uma pessoa pode exercita-se de forma errada. Por isso seria melhor se disséssemos que o exercício adequado orientado leva ao aprimoramento.

 

 A segunda diz que a experiência é nosso melhor mestre. Porém não precisamos fazer o que é errado para sabermos o que é certo. Assim, seria melhor dizer que a experiência adequada orientada é nosso melhor mestre.

 

A terceira que é fazendo que se aprende, mas pode-se aprender também coisas erradas, desse modo seria melhor dizer que fazendo as coisas certas, aprendemos o que é certo.

 

 

Faço e tudo muda

 

Esta lei da Atividade é confirmada por muitas pesquisas modernas na área da psicologia educacional e também por um provérbio chinês antigo, que diz: "Ouço e esqueço, vejo e guardo na memória, faço e compreendo". Assim quando nós fazemos alguma coisa, o resultado não é apenas compreender, mas a mudança ocorrida em nós pela atividade produz aprendizado.

 

Segundo a psicologia podemos reter 10% do que ouvimos. Realidade da maioria das igrejas. Se além de ouvirmos também vemos, podemos reter 50%. Por isso que os áudios visuais são tão importantes. Mas se unirmos a essas duas coisas o fazer a retenção passa para 90%.

 

Sendo assim a melhor maneira de aprendermos é praticando o que se aprendeu. Isso vale para todas as áreas da vida cristã. Por isso, a melhor maneira de evangelizar é testemunhando. Não se aprende a evangelizar apenas ouvindo. Jesus disse que “quem tem tempo para ouvir, ouça...”.  Para o Mestre ouvir e praticar andavam de mãos dadas. Saber e não praticar significa não saber nada. Assim, em educação cristã, o fato principal não é ter conhecimento, é obedecer agindo.

 

Atividade significativa

 

A lei da atividade reza que para obtermos o máximo de aprendizagem é preciso o máximo de envolvimento. Algumas atividades podem fazer isso ser uma realidade.

 

1.      Atividades que fornecem orientação, sem imposição.

 

Ao darmos uma atividade temos que dá-la de fato. Tendo o cuidado de fazer isso dentro de certa esfera de liberdade. De maneira que os alunos a façam não para agradar ao professor, mas para seu crescimento próprio. A aprendizagem deve brotar do próprio aluno; não é o professor que derrama dentro da cabeça dele. Ele simplesmente retira o que está dentro dela. Assim, o professor tem que dá orientação e não imposição.

         

2.      Atividades que dêem ênfase à função à aplicação na prática. Mesmo que errem aprenderão muito.

 

São atividades que levem o aluno a praticar o que ele acabou de aprender. O ensino não apenas transmissão de conhecimento de um cronograma rígido, mas uma verdade prática e praticável.

 

3.      Atividades com objetivos definidos.

 

Os objetivos determinam os resultados. Por isso não podemos dá aos alunos atividades que não tenham objetivos claros. Muitos professores dão certas atividades sem que haja um objetivo por traz das mesmas. É a atividade pela atividade. Um exemplo disso são atividades que levam apenas ao entretenimento ou apenas para cumprir um currículo.

 

4.      Atividades que se relacionem com o processo e o produto final que queremos.

 

Quando fazemos isso nós limitamos a capacidade de desenvolvimento de nossos alunos. É necessário que as atividades se relacionem com o processo, para que o próprio aluno construa seus conhecimentos e valores.

 

5       Atividades que obrigarão aluno a solucionar problemas.

 

Normalmente os professores fogem dos problemas e não os trata como deveria. Todavia o numero de pessoas com problemas está cada vez maior, e os professores são apenas superficiais ou simplistas. Por isso, é necessário que as atividades estejam relacionadas com o dia a dia do aluno, para que por meio dela encontre a solução dos seus problemas.

 

Avançar

 

A aprendizagem é um processo e professor precisa considerar isso e ensinar gradativamente. Jesus foi o maior mestre que já existiu. Ele não despejou uma avalanche de fatos teológicos na cabeça dos discípulos, ao contrario procurou envolvê-los no processo de aprendizagem. E esse é o grande desafio dos professores contemporâneos.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário

 
©2007 Elke di Barros. Adaptado por Jailson Santos. Por Templates e Acessorios